Aborto

A. C.
Feb 28, 2022

Sou um cemitério de sonhos

As ideias me veem a mente e morrem emaranhadas entre as sinapses errantes na prisão do meu cérebro

Elas lutam em vão para se libertar e vir ao mundo

Mas o solo é infértil

Estéril

Erodido

O lápis não se ergue mais e as cores desvanecem

O artista grita

E eu continuo a andar enquanto seus berros somem no abismo

--

--