A. C.

Mar 18, 2019

1 min read

Monstro

Encontrava-se sentada no chão, enroscada sob si mesma. A criatura respirava pesadamente, o ar saindo de seus pulmões como um turbilhão. Já não era o que outrora fora. E jamais voltaria a ser.

“Também nunca seria o que ansiava.” Pensou rapidamente, num lampejo de dor. Sentia dores constantes. Que eram amplificadas pela inércia que se envolvera.

Não sabia mais o que sentir. Ou se devia sentir. As estrelas riam desse embaraço terreno. Ela se mexeu e suspirou, tentando ignorar esse barulho infernal. Mas ele nunca a deixava, pois estava grudado em seu pelo.

As águas que compunham sua mente se agitaram e ela ouviu o fraco grito de algo que morrera havia muito. “Se já morreu, por que não arranjo outro?”

Todavia, a noite foi embora e o sol levantou, colocando a criatura em um sono repleto de sonhos estranhos, embalada na prisão que criara ela própria com seus sonhos quebrados.

Eu sou a pessoa do outro lado do espelho.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.